Foz do Iguaçu, dia 2.

Foz do Iguaçu é garantia de paisagens de tirar o fôlego e aventura. Se você ainda não foi não sabe o que está perdendo. Nós já começamos nosso roteiro de 4 dias na cidade conhecendo o Marco das 3 fronteiras, o Parque das Aves e a Mesquita Mulçumana. Não viu? Clica aqui.

Hoje é dia de conhecer as atrações mais famosas do lugar.

Dia 2

4. Itaipu Binacional.

Queridos, a cidade girou em torno da construção da usina por muito tempo. Antes de Itaipu se instalar lá a cidade era bem menor e desenvolvida. Com Itaipu tudo cresceu. Imagina a importância dessa usina! A visita é muito legal e reserva surpresas grandiosas! Itaipu tem um slogan interessante: é “a maior geradora de energia limpa e renovável do planeta”.

Chegando à Itaipu você pode escolher alguns pacotes de visitas. Nós escolhemos o mais simples, mas tem show de luzes no fim do dia, tem um que você vai até o interior dela, vendo como funcionam as turbinas, com auxílio dos engenheiros, ou seja, tem para todo gosto.

Olha o ônibus! Sou gamada nestes passeios de ônibus! Itaipu tem um só pra ela, chique, né?

A usina é imeeeensa e lá tudo é bem organizado, inclusive as visitas. A gente assiste à vídeos explicando a construção da usina, como as coisas funcionam etc e tal. Mas o pedaço mais interessante e quando pegamos o ônibus de 2 andares aberto em cima e vamos ver tudo ao vivo. Este passeio que escolhemos é a visita panorâmica e vai durar em torno de 1 hora e meia.

O início do nosso passeio panorâmico em Itaipu Binacional.

A coisa é tão gradiosa que dá vontade de virar engenheiro para trabalhar naquele lugar. A área construída é gigante e o tamanho das construções também. As turbinas são cilindros mega grandes, a barragem também é grande, tudo é mega! O pedaço da visita que costuma encantar mais os turistas é quando as comportas da barragem estão abertas e jorra água, o vertedouro. Mas é bom avisar que este evento só ocorre alguns meses específicos do ano.  Quando lá estive, em junho, não era época de fazer a água jorrar. Se não me falha a memória, parece que o mês em que eles precisam se livrar do excesso de água e para isso abrem as comportas é fevereiro.

“A abertura do vertedouro não atende a um cronograma pré-determinado. Está diretamente ligada ao nível do lago. Quem tem a sorte de acompanhar o escoamento da água pelas três calhas assiste um espetáculo inesquecível. A vazão do vertedouro de Itaipu é equivalente a 40 Cataratas do Iguaçu. Esse dilúvio despenca de um tobogã de 30 metros para formar um regurgito de 10 metros e, finalmente, voltar ao leito rochoso do Rio Paraná, a 40 metros de profundidade.”

Fonte: http://www.itaipu.gov.br/turismo/vertedouro

Quando você acha que já viu tudo de grandioso que poderia ver é chegada a hora de ver o açude. Gente, aí é que você muda seus conceitos de coisa grande. O lago (ou lagoa, não sei) é mega, giga, power grande. Parece o mar, porque você não vê onde acaba!

Para mais informações: http://www.itaipu.gov.br/

5. Parque Nacional do Iguaçu.

O arco-íris nas cataratas! Foto: naViagemcomCamila.

O parque abriga as cataratas e é tido como Patrimônio Natural da Humanidade. Vamos esclarecer já de cara: há 2 parques que dão acesso às cataratas: o do lado brasileiro, este que vou falar sobre hoje, e o do lado argentino, sobre o qual falarei no próximo post. Vale a pena visitar os 2 parques porque eles dão visões diferentes das cataratas e já adianto que a vista do lado argentino é a mais bela. Com relação a infraestrutura a do parque brasileiro é bem melhor.

O Parque tem uma série de atividades para se fazer além de ver as cataratas (o que já seria suficiente para valer a visita). Portanto, a dica é chegar cedo! Quando eu fui fiquei com medo de não saber me virar em Foz e comprei um pacote que dava direito à Itaipu e Cataratas. Acho que fiz besteira. Apesar de as cataratas e Itaipu ficarem meio afastados era mais negócio pegar um táxi e ficar mais livre para fazer as coisas no horário que quiséssemos. Cheguei muito tarde as cataratas e não pude aproveitar tanto assim. O parque tem hora para fechar, salvo engano é às 17 horas. Então vá cedinho, antes do meio dia, se possível. Se você vai com crianças aí sim é que deve ir cedo porque tem muita coisa para os pequenos.

A clássica foto de você todo molhado! Kakakakak

Como o parque é grande há ônibus que passam a cada 15 minutos e te levam nas estações. Cada estação tem atividades diferentes: umas são só mirantes das cataratas (mas há uma parada específica que é aquela que você se molha de tão pertinho que chega da água), outras tem atividades radicais, outras tem praças de alimentação…

Falando em aventuras radicais… O Parque é apropriado para isso. Tem uma série de atividades, desde as mais calminhas, como um passeio num trenzinho pela floresta até as margens do rio, até rafting e rapel. Eu escolhi o rapel vertical e fui junto com meu namorado no rafting. Na verdade verdadeira, meu namorado também ia do rapel, mas quando viu a altura desistiu. Para os corajosos aconselho que façam o rapel porque a vista é linda demais.

Are you ready? Eram 58 metros de descida!

Um aperitivo da vista que eu tinha enquanto descia. Nossa, era muito lindo!

O lado bom de meu namorado não ter ido é que ele registrou toda a minha descida. Olha o tamanhão disso!

O primeiro rapel a gente nunca esquece!

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

Pena que não deu para registrar o rafting. Como tinha as corredeiras era proibido levar câmeras. Saímos de lá super molhados, mas valeu a pena. A água era muito gelada e a vista incrível! Aquele paredão e nós no meio dele, descendo rio abaixo era muito legal!

Na época lembro que o rapel custou R$ 70 reais e o rafting uns R$ 50, mas isso foi em 2010. No lado argentino há outros passeios deste estilo e aparentemente são mais baratos, só que achei os do lado brasileiro mais seguros.

Mas se você não é muito chegado as aventuras radicais o melhor é ir direto ao ponto: ver as cataratas! Como falei tem uns mirantes antes, mas só no finzinho do percurso é que você chega nas cataratas mesmo. A paisagem é linda e a força da água é espetacular. Eu olhava pra tudo aquilo e achei um deslumbre de beleza!

Dica de amiga: há uma praça de alimentação pertinho deste ponto onde você vê as cataratas bem de perto. Se você não está financeiramente preparado nem invente de comer por lá. Tudo é bem carinho. As coisas mais em conta são os lanches, as refeições custam um valor considerável. Portanto, ou ‘tu’ leva um lanchinho na bolsa ou come um lanchinho por lá. Comida de verdade mesmo deixa pra outra hora. Agora se grana não for o problema você pode almoçar com o barulhinho das cataratas ao fundo.

Hoje o passeio termina por aqui. Próxima semana volto com mais Foz, fechado?

Até lá! :*

Anúncios

Uma resposta para “Foz do Iguaçu, dia 2.

  1. Pingback: Foz do Iguaçu. | naViagemcomCamila·

Que tal deixar sua opinião?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s